17 janeiro 2019

Onde estão os movimentos de classe de Açailândia que não protestam mais pelo bem da cidade?


Durante essas duas ultimas décadas havia se tornado comum os grupos populares como Rede de Cidadania e outros ligados ao Centro de Defesa e as entidades apoiadas pelos antigos governos de esquerda. Porém, magicamente após 2015, esses grupos sumiram do mapa, após pressionarem para a cassação da ex-prefeita Gleide.
Um dos últimos movimentos feito pelas entidades de classe.
Atualmente vivemos um dos piores momentos administrativo que Açailândia já teve, cidade abandonada, quebrada, se emprego, saúde e educação beirando o caos, e nenhuma dessas entidades se manifestam para pressionar o poder publico e legislativo a fazerem o seu papel.

Essas entidades que faziam pressão eram contra as mazelas administrativas ou foram criadas apenas para elevar p ego de que era contra outros governos que os afrontavam? Porque hoje não saem mais as ruas e manifestam com o povo novamente Aliás, elas ainda existem?
Um dos coordenadores discursando no ultimo protesto.
Precisamos lembrar que esses movimentos eram encabeçados por militantes ligados aos mais diversos movimentos sustentados pelo governo federal. Precisa-se saber quais eram os verdadeiros interesses por trás dos protestos, e saber por que hoje não fazem o mesmo.

O Centro de Defesa anda quieto e sem representatividade na cidade, diferente de outras épocas que seus membros faziam até greve de fome em protestos contra administrações passadas.
Pedido de segmento do processo de cassação da ex-prefeita Gleide Santos
Tudo que precisaríamos hoje seria um movimento desses para pressionar a administração a trabalhar, e mobilizar o povo como era feito antes para isso, porém, isso parece estar muito distante hoje em dia, não se houve falar mais em nenhum deles, parece que tomaram "doril" e sumiram.

Onde estão? O que fazem? O que fazem atualmente os líderes desses movimentos? Ta na hora de alguém responder essas perguntas.

#FalaFreire

Nenhum comentário:

Postar um comentário