30 janeiro 2019

374 milhões é o motivo da guerra entre câmara e prefeitura, em Açailândia: Entenda.


Em dezembro de 2017 na apresentação da LOA, Lei Orçamentaria Anual, que define os gastos para o ano seguinte em um município, o prefeito Juscelino Oliveira teria enviado um anexo pedindo a aprovação do pedido de empréstimo junto com a LOA no valor exato de R$ 374.740.437,00 (Trezentos e setenta e quatro milhões, setecentos e quarenta mil e quatrocentos e trinta e sete reais).
Ver. Ceará X Pref. Juscelino
Na época o presidente afastado, Ver. Ceará, conseguiu retirar o anexo evitando a tragédia desse empréstimo que deixaria o município inviável para as futuras administrações por décadas, nessa época o prefeito não tinha maioria na câmara por isso não teve seu projeto malicioso levado adiante.

Daí em diante começou a guerra entre os dois poderes, Juscelino Oliveira lutando para ter maioria na câmara e conseguir levar seu projeto de empréstimo adiante, e o presidente Ceará tentando evitar segurando maioria na casa legislativa. Segundo informações dos bastidores da câmara, os processos envolvendo licitações e comprar de forma errada teriam sido feita propositalmente por um funcionário da câmara que logo após o ocorrido e abertura do processo, saiu da câmara e ganhou uma portaria na prefeitura, o nome desse funcionário não foi informado pela nossa fonte.

O fato é que após o inicio da briga, os dois lados começaram a jogar de forma individual e quase pessoal, como se fosse uma questão de honra mostrar poder de um para o outro, Ceará que até o momento perde a queda de braços, não tem mídia favorável nem goza de prestigio junto a população por causa do desgaste com seus processos, do outro lado o prefeito que tem conseguido através de manobras minuciosas ter maioria na câmara, mas na opinião pública está com rejeição gigantesca e também tem vários processos na justiça que parecem não andar.

Aliás, o fato dos processos contra o executivo não andarem e os da câmara serem atendidos e julgados com tanta rapidez tem gerado indagações e desconfianças da população que não entende os dois pesos e as duas medidas.

O fato é que com o afastamento do presidente e a anulação da eleição, o prefeito enfim consegue ter controle sobre a direção da casa que ficara com o Vereador Cesar Costa, que poderá decidir se ficará até o final do processo que afastou Ceará e anulou a eleição, ou se convoca novas eleições, o que também favoreceria o prefeito já que ele colocaria de acordo com fontes do seu gabinete, o Vereador Ancelmo que faz parte de sua base aliada na câmara.
Quando isso se concretizar, o plano do prefeito de aprovar o pedido de empréstimo de 374 milhões será colocado imediatamente em pauta, e isso seria uma verdadeira catástrofe para o município, tendo em vista que não há no documento enviado a câmara detalhamento para que seria os gastos especificamente.

Vale lembrar que, quando o prefeito Juscelino foi vereador e oposição ao ex-prefeito Ildemar Gonçaves, foi o único que lutou contra o empréstimo de 20 milhões que Ildemar na época, e hoje está na situação de algoz daquilo que ele mais combateu quando foi parlamentar.

É necessário ficar de olhos abertos para que o executivo não faça manobras nas caladas da noite com esse jogo sujo envolvendo o legislativo onde agora, ele conta com a maioria e também com o apoia da nova direção da casa.

Alertamos também a justiça para esses fatos citados.

Segue abaixo imagens do documento de dezembro de 2017 onde o prefeito pede aprovação do empréstimo milionário no valor de mais de 374 milhões.




Nenhum comentário:

Postar um comentário